Publicidade

Ameaça da IA no Mundo do Cinema é discutida em Berlim

Diogo Fernandes, 17 de fevereiro de 2024 19:03
Ameaça da IA no Mundo do Cinema é discutida em Berlim

Um painel proeminente na Berlinale abordou a crescente influência da inteligência artificial (IA) na indústria cinematográfica, com foco no modelo Sora desenvolvido pela OpenAI.

Este debate incidiu sobre as promessas e perigos que a tecnologia de texto-para-vídeo apresenta para a produção de filmes e programas de televisão.

Hollywood já experimentou ferramentas de IA generativa para a criação de conteúdo audiovisual, mas com resultados diversos e, notavelmente, com implicações potenciais para os profissionais de efeitos visuais e outros trabalhadores da pós-produção. O modelo Sora, recentemente introduzido por Sam Altman da OpenAI, promete criar cenas visuais detalhadas a partir de simples prompts de texto, gerando preocupações e fascínio na indústria cinematográfica.

Dave Clark, um realizador de Los Angeles e usuário inicial de ferramentas de IA representado pela Secret Level, argumentou que os criadores não devem temer a automação, mas sim abraçar as tecnologias de IA para explorar novos territórios criativos. "Isto está a mudar o jogo com o que estamos a lidar. Não devem temer o vosso trabalho. Devem temer a pessoa que usa estas ferramentas", afirmou Clark.

O sistema Sora alega ser capaz de produzir vídeos de cenas complexas com múltiplos personagens a partir de simples instruções de texto. No entanto, Clark alertou que, apesar das capacidades impressionantes, as imagens geradas pela IA precisam ser integradas com técnicas tradicionais de contar histórias para cativar um público mais amplo.

"Os especialistas estão realmente a olhar para isto (Sora) com preocupação, fascínio ou entusiasmo por algo novo que está a surgir", afirmou AC Coppens, fundadora de The Catalysts.

Apesar do entusiasmo, existe uma apreensão generalizada sobre o impacto da IA na indústria cinematográfica. Clark destacou que a combinação de imagens geradas por IA com narrativas tradicionais é essencial para criar conteúdo envolvente.

Em relação ao uso prático, Clark destacou que as ferramentas geradas por IA são ideais para acelerar a criação de decks de argumentos de guião para apresentações a estúdios. Isso permite aos executivos de Hollywood explorar histórias únicas e diferentes do típico conteúdo da indústria.

Enquanto alguns abraçam a IA como uma ferramenta complementar, outros, como Christina Caspers-Roemer, diretora-geral do estúdio alemão de efeitos visuais Trixter, destacam a importância contínua dos criadores humanos. Mesmo que as ferramentas de IA sejam mais eficientes, Caspers-Roemer acredita que os criadores humanos são a base da produção de filmes e TV.

A discussão também abordou preocupações legais em torno do uso de ferramentas de IA na produção de efeitos visuais, com especial atenção para possíveis restrições legais entre o Canadá, EUA e Europa. No entanto, Simon Weisse, especialista em miniaturas e fabricante de adereços para renomados realizadores, destacou a utilidade das ferramentas de IA na pesquisa de imagens para a construção de cenários de miniaturas.

O debate em Berlim reflete o equilíbrio delicado entre a inovação trazida pela IA e a preservação das abordagens tradicionais na criação cinematográfica, deixando a indústria cinematográfica ansiosa e curiosa sobre o que o futuro reserva.



Escolha uma plataforma de Streaming e encontra as estreias, lançamentos e notícias: