Publicidade

Este é o novo romance interativo da Netflix "Escolhe o Amor": Vale a pena ver?

Diogo Fernandes, 31 de agosto de 2023 16:06

A mais recente experiência de filme interativo da Netflix, Escolhe o Amor, já está disponível para streaming, mas vale a pena ver? Ou jogar? Seja qual for o adjetivo!

Se és uma pessoa como eu que cresceu nos anos 80 e 90, deves ter um grande carinho pela série de livros da Bantam Books "Choose Your Own Adventure", que permitia ao leitor escolher entre algumas opções para onde o protagonista iria na aventura do livro.

Num caminho, poderias correr perigo e terminar a tua jornada. Noutro, poderias encontrar o teu caminho para um final seguro e feliz. Claro, nós fazíamos batota e voltávamos atrás até encontrarmos a resposta certa, mas isso fazia parte da diversão. Afinal, era um jogo acima de tudo.

Nos últimos anos, a Netflix decidiu que queria tentar recapturar essa experiência através de conteúdo original interativo na sua plataforma.

Tal como a série "Choose Your Own Adventure", os géneros em que as histórias ocorrem não são todos iguais. Eles seguiram o caminho assustador para maiores de 6 anos com a co-produção de terror da WWE numa casa assombrada chamada Escape The Undertaker. Fizeram uma série de 8 episódios chamada You vs Wild, onde vais em aventuras exóticas com Bear Grylls. Talvez a experiência interativa mais notável tenha sido uma versão do seu programa de sucesso Black Mirror intitulada Black Mirror: Bandersnatch, que segue um jovem programador enquanto ele tenta adaptar um romance de fantasia sombria para um videojogo.

Para além de ser um derivado de um programa popular, Bandersnatch parece ter sido particularmente bem recebido devido à grande quantidade de escolhas e ao potencial de consequências sérias que os fãs trocavam histórias online. Eles estavam ansiosos por saber quais outras conclusões existiam e qual era a melhor para o protagonista. Desculpa, fãs de Black Mirror, não podias simplesmente saltar como nós fãs de CYOA.

Embora a Netflix tenha produzido vários projetos interativos, poucos, se é que houve algum, foram direcionados para o público feminino. No entanto, isso vai mudar este fim de semana com o seu mais recente Escolhe o Amor, que permite aos fãs de géneros mais românticos escolherem o tipo de homem que acreditam ser o melhor para a protagonista viver feliz para sempre.

Dirigido pelo realizador australiano Stuart McDonald (Uma Combinação Perfeita), Escolhe o Amor segue a vida amorosa de Cami Conway, uma mulher que está numa encruzilhada com o seu namorado de longa data, Paul, e a sua carreira como engenheira de som após os seus sonhos de cantar falharem há muitos anos.
Após uma visita a uma vidente, Cami é confrontada com a possibilidade de três pretendentes que irão competir de várias formas pelo seu afeto: o namorado estável, aquele que escapou e a estrela de rock encantadora. Com cada escolha que fazes como utilizador interativo, irás ajudar a guiar Cami para as decisões que achas que ela deve tomar na vida e no amor, incluindo conclusões para os três homens e um potencial quarto resultado que poderá ser a melhor coisa para Cami no final.

O projeto conta com a presença de Laura Marano, estrela dos comédias romanticas da Netflix (Tratamento Real), como a indecisa Cami; bem como Scott Michael Foster, estrela de "Greek", no papel do seu namorado estável Paul, Jordi Webber, antigo Power Ranger, como o antigo amor de liceu Jack, e Avan Jogia, ídolo de Victorious, como a famosa estrela de rock Rex Galier.

Para aqueles que se perguntam se Escolhe o Amor terá a mesma positividade crítica e comercial de Bandersnatch, mas com um sabor apaixonado e amoroso, eu diria, infelizmente, que não.

Enquanto Bandersnatch tinha valor de produção, interação com o público online e offline e consequências reais para as personagens, Escolhe o Amor tem muito pouco disso tudo. A história é um exercício muito plano e em grande parte alegre nos arquétipos menos interessantes dos filmes românticos modernos. A peça interativa entra muito rapidamente antes do público sequer conseguir perceber algo sobre a Cami, os seus sonhos ou as suas necessidades num parceiro. Mesmo enquanto avanças nas decisões que tomas para a Cami, nunca parece que qualquer decisão seja verdadeiramente errada ou certa para ela. Cada versão do conto da Cami está simplesmente a seguir os movimentos de um sentido passivo da sua própria vida antes de tudo eventualmente se resolver. Sem apostas. Sem drama. Apenas escolhas.

O meu passado de "Choose Your Own Adventure" e a minha experiência com algumas das produções interativas anteriores da Netflix fazem-me pensar que até os fãs ávidos de comédias românticas terão dificuldade em navegar por esta. Todas as personagens são vazias e unidimensionais, enquanto o diálogo e as trajetórias parecem não ter qualquer impacto ou satisfação.

A coisa mais difícil de acreditar é que não se divertiram mais com este filme. Um pouco mais de exagero, um pouco mais de apelo sexual, um pouco mais de qualquer coisa que tenha funcionado durante décadas em qualquer comédia romântica estereotipada teria beneficiado o filme e a experiência do utilizador enormemente. Se a personagem que estou a escolher não pode divertir-se a fazê-lo, por que deveria chegar até ao final? Quanto mais voltar atrás e experimentar todos os finais que o filme tem para oferecer.

Isto parece mais um problema de escrita e construção do que de atuação, já que muitos dos protagonistas parecem estar a tentar qualquer coisa para transmitir uma emoção genuína nestas cenas escolhidas.

O único intérprete que parece estar a divertir-se e a aceitar o papel certo é Avan Jogia como a estrela de rock Rex. Embora o seu diálogo possa não ser o mais forte, a capacidade de Jogia para ser brincalhão, sedutor e consistente torna-o mais cativante do que as suas alternativas como pretendentes. A química dele com Marano dá ao filme a vida tão necessária em poucos momentos ao longo da história.

Em geral, Escolhe o Amor é um jogo que não vale a pena jogar. Embora o dilema intemporal entre estabilidade e perseguir sonhos seja sempre relevante, o filme e a sua interatividade fazem tudo o que podem para esvaziar o drama e guiar suavemente de uma opção maioritariamente boa para outra. Esperavamos mais do estúdio que quase sozinho trouxe de volta a comédia romântica há apenas alguns anos. Se a Netflix não sabe a fórmula para fazer isto funcionar, então realmente podemos questionar-nos se é possível.



Escolha uma plataforma de Streaming e encontra as estreias, lançamentos e notícias: