Publicidade

Gigantes de Streaming perdem $ 5 Mil Milhões em comparação com os Meios Tradicionais

Diogo Fernandes, 28 de dezembro de 2023 15:34
Gigantes de Streaming perdem $ 5 Mil Milhões em comparação com os Meios Tradicionais

O ano de 2024 promete ser um período decisivo para as maiores empresas tradicionais de entretenimento do mundo, que enfrentam uma crise após perdas superiores a $5 mil milhões nos últimos 12 meses devido às suas plataformas de streaming.

A Disney, Warner Bros Discovery, Comcast e Paramount, conglomerados de entretenimento dos EUA que cresceram ao longo de décadas, estão agora sob pressão para reduzir ou vender negócios legados, diminuir a produção e cortar custos após bilhões em prejuízos digitais.

Shari Redstone, bilionária acionista controladora da Paramount, colocou efetivamente a empresa à venda nas últimas semanas. Conversas sobre a venda do estúdio de Hollywood para a Skydance, a produtora por trás de Top Gun: Maverick, estão em andamento, segundo fontes próximas ao assunto. O CEO da Paramount, Bob Bakish, também discutiu uma possível combinação com o CEO da Warner, David Zaslav, em meados de dezembro. No entanto, as conversas estão em estágio inicial, e alerta-se que um acordo pode não se concretizar.

Além das perdas nas plataformas de streaming, os grupos de mídia tradicionais enfrentam um mercado publicitário fraco, receitas televisivas em declínio e custos de produção mais altos após as greves em Hollywood.

O analista Rich Greenfield, da LightShed Partners, descreveu as discussões de negócios da Paramount como um reflexo do "pânico completo e absoluto" na indústria. Ele observou que a publicidade na TV está aquém, o corte de cabos continua a acelerar, os custos desportivos estão a aumentar, e a indústria cinematográfica não está a ir bem. A solução aparente para essas empresas é tentar fundir-se e cortar custos.

No entanto, enquanto os gigantes tradicionais enfrentam desafios, a Netflix, a empresa de tecnologia que foi pioneira no modelo de streaming há mais de uma década, emerge como vencedora na batalha para remodelar a distribuição de vídeo. Após um 2022 turbulento, a Netflix destacou-se, principalmente por ser lucrativa. Os seus ganhos no último trimestre superaram as expectativas de Wall Street, adicionando 9 milhões de novos assinantes, o maior aumento desde o início de 2020, durante os lockdowns da Covid-19.

John Martin, co-fundador da Pugilist Capital e ex-CEO da Turner Broadcasting, destaca que a Netflix se distanciou, enquanto os seus rivais enfrentam a questão de "como criar um serviço de streaming viável com um modelo de negócios viável? Porque eles não estão a funcionar.".

Os principais serviços de streaming aumentaram agressivamente os preços em 2023, levando analistas, investidores e executivos a preverem consolidação no próximo ano, à medida que alguns dos serviços menores se fundem ou desistem da guerra do streaming.

A Warner, lar da HBO e do estúdio de cinema Warner Bros, registrou um pequeno lucro nos seus serviços de streaming nos EUA este ano, em parte, elevando os preços, cortando agressivamente algumas séries e licenciando outras para a Netflix. No entanto, isso teve um preço: a Warner perdeu mais de 2 milhões de assinantes nos seus dois trimestres mais recentes.

O cenário da Warner como potencial alvo de aquisição, principalmente pela Comcast, é amplamente discutido, mas Zaslav indicou que o seu grupo quer ser um adquirente em vez de um alvo.

À medida que a fusão Warner-Discovery proíbe o grupo de fazer negócios por dois anos, até 8 de abril, e a Disney passa por uma reestruturação intensiva, fica claro que o mercado de streaming está num ponto de inflexão. A incerteza paira sobre o futuro desses gigantes do entretenimento, e a próxima jogada será crucial para a sua sobrevivência no novo cenário digital.



Escolha uma plataforma de Streaming e encontra as estreias, lançamentos e notícias: