Publicidade

Realizado de "O Criador" diz "Não acho que a IA queira os nossos trabalhos"

Diogo Fernandes, 8 de outubro de 2023 11:33
Realizado de "O Criador" diz "Não acho que a IA queira os nossos trabalhos"

Existe uma cena em O Criador da 20th Century Studios em que a inteligência artificial causa estragos em Los Angeles, enquanto um jornalista de televisão avisa que elas estão atrás dos seus empregos. Mas isto não é o que o realizador, Gareth Edwards, que co-escreveu o argumento com Chris Weitz, acredita. "Eu não acho que a IA queira os nossos trabalhos", diz Edwards num novo episódio do podcast Behind the Screen do The Hollywood Reporter.

Edwards lembra-se de que Weitz pode ter escrito essa linha por volta de 2019, muito antes de a IA se tornar um tópico crucial em Hollywood e uma questão central nas greves da WGA e SAG-AFTRA. "O ChatGPT parece não querer nada", diz o diretor sobre a inteligência artificial atualmente. "Mas é uma ferramenta incrível. Vai perturbar muitas coisas. Vamos ficar ao lado dela e acho que ficaremos gratos por isso acontecer. Assim como todos os outros grandes avanços tecnológicos, como carros, eletricidade, computadores domésticos, internet, vai mudar as coisas".

O filme de ficção científica futurista segue Joshua, interpretado por John David Washington, recrutado para destruir uma IA na forma de uma criança. Edwards admite que, quando escreviam o argumento, a IA parecia estar muito distante no futuro e a história era "mais uma metáfora para pessoas diferentes de nós". Mas à medida que escreviam, surgiram mais questões sobre inteligência artificial. "E se elas não fizerem o que você quer que elas façam? E se você tiver que desligá-las? E se elas não quiserem ser desligadas? Todas essas coisas com as quais estamos a começar a lidar agora começam a tornar-se mais interessantes do que a razão original pela qual você fazia o filme", disse ele.

Ele observa que uma das questões era em que ano ambientar o filme. "Até Stanley Kubrick errou ao escolher 2001, quando todos estaríamos a viver na lua. E então eu pensei: 'Não tente escolher uma data, você vai parecer um idiota'", diz Edwards. "Mas em algum momento, você tem que escolher. Então eu optei por 2070 e não percebi que seria ainda mais idiota porque deveria ter escolhido uma data anterior, como 2023 ou algo assim".

Além do tema, o diretor experiente em efeitos visuais fala sobre o processo de produção inventivo do filme - como ele fez um filme com um orçamento de 80 milhões de dólares parecer que gastaram muito mais. Ele relata que, ao gerir o tamanho da equipa, o trabalho em locações pode ser menos caro do que construir cenários. Com isso em mente, uma pequena equipe levou uma câmara para oito países, incluindo Camboja e Vietname, onde filmaram uma grande quantidade de cenas. Depois, a Industrial Light & Magic "engenharia reversa" as cenas para criar o design.

Da mesma forma, eles filmaram com atores a interpretar os robôs impulsionados por IA, mas sem marcadores de captura de movimento ou técnicas semelhantes. "Eles descobriram maneiras de rastrear o corpo humano quando não havia marcadores nele", diz ele sobre o trabalho da ILM. Edwards acrescenta que, além dos atores principais, muitos dos intérpretes não sabiam se interpretavam um humano ou uma IA durante as filmagens. "Eu parei de contar às pessoas porque eu queria que os robôs fossem muito naturalistas e humanos no seu comportamento", admite. "Na verdade, escolhemos quem era IA mais ou menos a meio da edição".



Escolha uma plataforma de Streaming e encontra as estreias, lançamentos e notícias: