Publicidade

Spider-Man: Beyond the Spider-Verse, Artista diz que estreia em 2024 "é impossível"

Tiago Silva, 26 de junho de 2023 07:30

Sem sombra de dúvidas que Homem-Aranha: Através do Aranhaverso é um gigante sucesso para a Sony Pictures, tanto nas críticas extremamente positivas como na bilheteira que já ultrapassou os 560 milhões de dólares. No entanto, nem tudo parece ser um "mar de rosas", especialmente para os artistas que estiveram responsáveis pela animação do filme.

Nos anos de construção para a estreia de Através do Aranhaverso, o estúdio, de forma orgulhosa, anunciou ter contratado mais de 1000 artistas de animação para trazer o ambicioso projeto à vida, e todo esse trabalho intensivo realmente reflete-se no projeto final. Porém, de acordo com vários artistas que contribuíram para o filme, as condições de trabalho em que foram obrigados a operar durante a produção do filme eram insustentáveis, erráticas e em grande parte foram resultado do produtor e coargumentista Phil Lord obrigar constantemente os três realizadores a fazerem mudanças de última hora.

Numa extensa entrevista com a Vulture, quatro artistas que trabalharam diretamente em Através do Aranhaverso descreveram o projeto como uma prova profissional exaustiva que levou cerca de 100 dos seus colegas a sair antes que o filme estivesse finalizado enquanto aqueles que ficaram foram "exigidos a trabalhar mais de 11 horas por dia, sete dias por semana" a certas alturas.

Segundo os artistas, que preferiram não divulgar os seus nomes verdadeiros (presumivelmente por preocupação com possíveis retaliações), quase todas as lutas que enfrentaram no filme - como longas horas de trabalho e revisões constantes em cenas já concluídas - poderiam ser atribuídas ao estilo de gerenciamento de Phil Lord:

"Eles obviamente estão encarregados de realizar, mas se o Phil [Lord] tem uma nota que contradiz a notas deles, a sua nota tem precedência. Eles têm que fazer o que Phil diz. Então havia mudanças e cortes constantes. Com Phil Lord, nada é final ou aprovado. Nada foi realmente definido. Tudo estava apenas a mover-se infinitamente sob os nossos pés porque eles queriam que fosse o melhor possível.", contou um dos artistas.

Processos iterativos de edição são comuns na animação, mas os artistas afirmaram que Lord luta para visualizar a animação 3D quando está nos seus estágios iniciais, o que, combinado com a sua inclinação por fazer mudanças granulares, levou a várias rodadas de edições em trabalhos que já estavam bem avançados na fase final de renderização. Essa mistura potente de ineficiência, levou a coisas como o facto da produção de Através do Aranhaverso fora dos escritórios da Sony Picture Imageworks ser efetivamente interrompida por três meses, deixando os funcionários com pouco a fazer além de sentar e esperar,  sabendo que "uma avalanche de trabalho" estava perto de chegar.

"A pior coisa que tu podes fazer com um artista é contratá-lo e depois dizer-lhe para não fazer nada. Essas pessoas eram como: 'Como é que tu esperas que façamos este enorme filme em menos e menos tempo?' Cada semana que passava significava que mais tarde seria mais trabalhoso.", disseram.

Em resposta a estas afirmações, Michelle Grady, a presidente da Sony Pictures Imageworks, e a produtora Amy Pascal disseram que, apesar da produção do filme ter sido definitivamente um desafio, Lord não deveria ser visto como a fonte dos atrasos do filme. "Uma das coisas sobre animação que torna tão maravilhoso trabalhar é que tu podes continuar a refazer até que a história esteja certa.", disse Pascal. "Se a história não estiver certa, tu tens que continuar até estar. Para os artistas que se sentiram desmoralizados por terem que voltar a editar renderizações finais cinco vezes seguidas, eu suponho: sê bem-vindo à produção de um filme."

Por fim, um dos artistas comentou o facto da sequela, intitulada de Spider-Man: Beyond the Spider-Verse (ainda sem título em português de Portugal)estar agendada já para 28 de Março de 2024, afirmando que "já vi pessoas a dizer que trabalhamos nestes dois filmes ao mesmo tempo. É impossível esse filme sair nessa data. Tem havido um progresso na parte da pré-produção, mas na parte da produção, a única coisa que foi feita foram testes antes deles serem divididos em duas partes. Toda a gente tem estado focada em «Através do Aranhaverso» e ao facto de quase nem conseguir passar a linha da chegada. E agora temos de começar a fazer outro."

Para já, a Sony Pictures não se pronunciou sobre o assunto, e Beyond the Spider-Verse continua agendado para 28 de Março de 2024.

Ainda em cartaz nos cinemas, Através do Aranhaverso é o segundo capítulo da saga que foi iniciada em 2018 com Homem-Aranha: No Universo Aranha, e a história acompanha Miles Morales que, após reencontrar-se com Gwen Stacy, é catapultado através do Multiverso onde conhece uma equipa de "pessoas-aranha" responsáveis pela sua proteção. Porém, Miles entra em conflito direto com a equipa quando entram em desacordo acerca da forma de lidar com a nova ameaça personificada no vilão The Spot. É então que Miles terá de redefinir o significado ser herói para salvar as pessoas que mais ama.

O elenco de voz (na versão original) é formado por Shameik Moore (Dope) e Hailee Steinfeld (Bumblebee) de regresso aos papéis de Spider-Man/Miles Morales e Gwen Stacy/Spider-Gwen, respetivamente. Jake Johnson (New Girl), Luna Lauren Velez (Dexter), Brian Tyree Henry (Bullet Train), Issa Rae (Insecure), Oscar Isaac (Ex Machina) e Daniel Kaluuya (Get Out) também participam nesta continuação.

A longa-metragem contou com a realização de Joaquim Dos Santos (The Legend of Korra), Justin K. Thompson (Star Wars: Clone WarsKemp Powers (Soul), e com um guião de Phil Lord (The Lego Movie), Chris Miller (Puss in BootsDave Callaham (Shang-Chi and the Legend of the Ten Rings).